Contact

Av. Córdoba 4123, Piso 1
Phone:+541148643716
Fax:
Email:lac@ilga.org
Website:

A ILGA, fundada em 1978, é uma rede mundial de grupos locais e nacionais que lutam por conseguir a igualdade de direitos para as pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais (lGBTI) e sua liberação de todas as formas de discriminação em todo o mundo.

Visão da ILGA

A visão da ILGA é de um mundo onde os direitos humanos de todos sejam respeitados e todas as pessoas possam viver em igualdade e liberdade; um mundo que se enriqueçacom a diversidade de orientações sexuais, identidades de gênero e expressões de gênero.

Missão

  • Atuar a nível mundial e regional como uma voz pelos direitos da queles que enfrentam discriminação por motivo de orientação sexual, identidade de gênero ou expressão de gênero.
  •  Promover a igualdade e a liberdade mediante a formação de lóbis, a promoção, adefesa e a comunicação e educando e informando instituições relevantes a nível internacional e regional, assim como os governos, os meios de comunicação social e a sociedade civil.
  • Facilitar a cooperação e a solidariedade entre as regiões ILGA e os membros da organização.
  • Prover de liderança organizações de direitos humanos, incluindo as que são nossos membros, para a proteção e a promoção dos direitos humanos.

Membros da ILGA

Os membros da ILGA continuam crescendo, tendo alcançado a importante cota de 1.005 em 2012! Tudo isto é uma homenagem a o esforço desta organização em seus 34 anos de vida (incluindo as atividades de divulgação dos responsáveis de comunicação das regiões) e um reconhecimento do fato de que a força necessária para lutar por nossos direitos vem só da unidade de grupos no contexto de uma associação mundial democraticamente organizada. É muito importante dizer que esta cifra simbólica justifica de forma muito concreta nossa representatividade e nos legitima para falar e atuar emnome de um vasto número de membros ouassociados.

Deste modo, temos que manter vivo e fomentar o diálogo entre os membros, o Comité Executivo e a Secretaria e também dentro das regiões. Temos que prosseguiro desenvolvimento de sistemas que permitam aos membros porem-se emcontato e organizarem-se com a secretaria sempre e quando necessário e também para consultar com regularidade os membros, através de um feedback, sobre as decisões que o conselho e as secretarias têm que tomar.O número de respostas às últimas consultas com os membros da estrutura atual das regiões e também através da página Web mostra que os membros desejam e estão dispostosa participar maisativamente navida da organização.

A análise dos membros a nível regional indica um aumento em todas as regiões em comparação com 2011, embora o objetivo a longo prazo continue sendo conseguir uma distribuição dos membros nas regiões em proporção direta com a população de cada região. Dos 1.005 membros presentes, 433 têm sua sede na Europa, 271 na América Latina, 97 na Ásia, 86 na América do Norte, 85 em África e 33 na ANZAPI.

MEMBROS POR REGIÕES ILGA

ILGALAC

27%

ILGA Europa
43%

ILGA Ásia
10%

ILGA América del Norte
9%

ILGA África
8%

ILGA ANZAPI
3%

FATOS DESTACADOS

  • Mais de 2400 pessoas acompanharam a ILGA no Twitter e no Facebook. Aproximadamente 1500 pessoas se inscreveramno Facebook da ILGA-Ásia, ao passo que o Facebook da ILGA-LAC disfruta de visitas regulares de aproximadamente 1300 seguidores em seu perfil.
  • A equipe de comunicações enviou 140 boletins eletrônicos mensais a mais de 4511 organizações LGBTI, em inglês, espanhol, português e francês.
  • No sítio www.ilga.org, foram lançados 2100 artigos, dando assim conta, ao minuto, da atualidade do movimento LGBTI em todo o mundo, com especial foco em África, Ásia, América Latina e Caribe.  
  • A dedicação de mais de 30 tradutores voluntários permitiuà ILGA continuar comunicando em 4 idiomas e assegurar seu trabalho interno, incluindo suas reuniões do Conselho, que foi disponibilizadoaos de língua inglesa e espanhola.  
  • A ILGA facilitou a participação de ativistas locaisem vários foros das Nações Unidas, incluindo a Comissão das Nações Unidas sobre o estatuto das mulheres (CSW) e a Análise Periódica Universal (UPR, em inglês), ambos através do apoio a sua presença em Genebra e em Nova Iorque e o esboço de relatórios-sombra.  
Compartir